Quando era pequeno sempre quis fazer essas viagens para o interior, conhecer pequenas cidades e vilarejos sem essas coisas da modernidade. Queria algo rústico mesmo, como aqueles lugares desertos com longas estradas de terra para se chegar no seu destino. Onde a lei é você e sua coragem. Dentro do meu escritório onde trabalho, sob... Continue lendo →

Anúncios

Carta a mim mesmo.

Oi, Cássio. Sou eu. Cássio. Sim, você mesmo, só que do futuro. Estou em 2015, dez anos à sua frente. Louco isso, né? Coisa de filme e tal. Escrevo porque venho refletindo muito sobre a vida que levei e que você levará. Tentei compilar uma porção de coisas que, se em 2005 eu tivesse a... Continue lendo →

Sacada

E então ela o chamou para conhecer sua sacada. O seu céu estrelado. O que só ela, dali, via. Nem se atentaram ao fato de que as nuvens o cobriam e que de estrela mesmo só duas. Mais brilhantes que qualquer uma que pudesse ser vista dali. Conversa vai e vem, elogios alheios irônicos e... Continue lendo →

Consciência Negra

Sempre perdido nesta escuridão infinita. A sombra que mais parece crescer enquanto procuro sua beirada. De todos os males, o pior... não sei. A convivência que me cala com o costume, rotina, para não dizer cansaço. Não conheço remédios. Nem dos naturais, nem dos químicos e nem dos humanos. Tudo o que conheço é o... Continue lendo →

Esperar

[...] Esperar não significa inércia, muito menos desinteresse; Renunciar não quer dizer que não ame; Abrir mão não quer dizer que não queira; O tempo ensina, mas não cura. (Martha Medeiros)

Caixa de papelão

Deixem-me contar sobre minha vida. Sobre minhas vontades, esperanças. Quando foi que pedi para ter tudo o que tenho? Quando foi que escrevi meus sonhos num papel e entreguei nas mãos de alguém que chamam de Deus? Dessa realidade que vivo, o que ganharei saindo daqui e por que não consigo ficar em paz? Essa... Continue lendo →

Prosas hoje me são assaz longas Meu pensamento corre muito rápido para elas Começo uma e termino pensando que é outra. Decidi por coisas mais curtas Que me acompanhem durante essa louca viagem Mal sabia que a loucura era muito longa para tão curtos versos.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: